MARIA

05-12-2012 01:17

Mensagem de Maria no dia 2 de julho de 1970, em Colorado Springs.

 

UMA TAÇA DE LIBERDADE EM SEU NOME

Todo o filho varão que nasce de Deus é selado com a chama do Cristo, a santa Criança Crística, a quem saúdo em cada um de vós no dia de hoje. Enquanto falo para o recém-nascido, determino: expande a tua luz e deixa-a envolver o globo! Deixa a criança da tua divindade surgir! Deixa a chama trina ser expandida dentro de ti! Recebe o ímpeto da tua missão neste dia, e responde ao chamado antigo: “Vai, meu filho, cumpre a minha vontade!” E ouve a resposta do Cristo: “Sim, Pai. EU SOU e vim para cumprir a tua vontade!” O círculo perfeito do Pai e do Filho e do Espírito Santo – Mãe Sagrada do Fogo –, esta Trindade é a chave para a tua divindade desde que nasceste.

Como representante da Mãe do Mundo, venho neste dia para vos lembrar da grande necessidade do mundo. O soar do barulho do mundo muitas vezes transformou-se num troar, num rugir muito alto, mas que logo pareceis ignorar. Vos acostumastes com as brigas, com a desarmonia e a discórdia. Vos acostumais com o desrespeito à vossa liberdade. Vos acostumais ao lusco-fusco que o obscurece a noite da iluminação.

Digo-vos, não vos contenteis com a mediocridade! Não vos contenteis com a condescendência. Nem com as restrições que os manipuladores impuseram sobre vós, amados. Expressai o vosso domínio divino, a autoridade da vossa divina perfeição, e ide em frente, sem aceitar nada menos do que isso! Reivindicar a vossa divindade! Digo-vos, o mundo não a reivindicará para vós, e os Mestres Ascensos estão proibidos, por Lei, de a clamar por vós. Portanto, só vós podeis reivindicá-la, e tendes a responsabilidade der o fazer em prol de toda a vida.

Lembro-me dos dias em que Jesus ainda era menininho e brincava com as crianças na cidade onde morávamos, ele voltava para casa entristecido e falava-me da rispidez das crianças e do quanto elas eram egoístas pois nem sequer pensavam no seu Pai celestial. Às vezes, tinham inveja da sua luz, pois, já naquela época, a luz de Jesus reprendia a sua escuridão. Aconselhei-o a compreender que os ataques e crueldades delas eram dirigidos contra a luz, não contra a pessoa dele. Ele, então, entendeu e não se magoou nem se ofendeu mais pelos pequenos com quem brincava. Aprendeu na sua tenra idade a reconhecer o Cristo dentro de cada um sem, no entanto, jamais se deixar enganar pela mente carnal, a consciência exterior com as suas fraudes e truques.

Este é um treinamento necessário para as crianças de luz. Não vos deveis esquecer de treinar a vossa própria consciência na compreensão de que os poderes das trevas e do Anticristo sempre atacam a luz que há dentro de vós e que ela é suficiente para reverter toda a oposição à sua gloriosa realização. Jamais deveis ficar preocupados se as pessoas não entenderem ou apreciarem a vossa forma ou devoção. Se elas ficarem ofendidas instantaneamente pela missão que cintila na vossa aura, deveis reconhecer, pelo seu antagonismo, que sois de facto um pilar de fogo no mundo e que o mundo às vezes se sente chamuscado pelo fogo que mantendes. Não desanimeis, portanto. Pelo contrário, segui pelo caminho designado. Segui o vosso chamado não permitindo que a vossa consciência seja maculada por tais desafortunados contactos com o mundo.

Ao olhar para as crianças da vossa época, noto que algumas delas, as mesmas que brincaram com Jesus, estão agora novamente encarnadas. E as crianças de Cristo que vieram e agora convivem com elas com a missão de serem os futuros líderes da humanidade devem, muitas vezes, aceitar esta desagradável situação. Às vezes, os seus corações saem machucados por elas se sentirem deixadas de fora do grupo, das brincadeiras, das festas e das atividades, e não compreendem o que há de errado com elas próprias. Eu digo-vos, porém, que os errados são aqueles que rejeitam a luz e o Cristo. Vem sendo assim por milhares de anos. Portanto, confortai-vos no amor da Mãe do Mundo, no Espírito Santo e no conhecimento de que muitos já tiveram essa missão antes de vós, a missão de manter a tocha acesa. E agora a tocha está sendo passada a uma nova geração, que a deve carregar com nobreza e competência, para evitar que a liberdade pereça na Terra.

Em nome da liberdade, então, em nome da liberdade que vos foi trazida pelo meu Filho, vamos erguer essa bandeira bem alto e segurar a tocha com firmeza, vamos estender a todos essa taça de liberdade em nome dele. As chamas da liberdade descem agora para o planeta Terra numa ação em espiral que vem do fogo sagrado do Espírito Santo, como no dia de Pentecostes. Para que esta maré de liberdade se precipitasse, os mestres da luz e do cosmos e os Senhores do Carma receberam o poder do Altíssimo de autorizar uma dispensação de luz e de liberdade para a Terra, tão grande quanto o homem jamais viu. Na verdade ela é necessária, neste momento, pois eles construíram um monólito de poder tão alto que parecia que ele ia virar pó sob a ação do próprio peso e, no entanto, isso não aconteceu.

Portanto, mantende a vigilância. Sede Sábios. Mantende-vos em guarda, amados, pois no momento em que tombar a grande Babilónia, a cidade das escrituras, vereis um grande movimento no reino dos elementais. Vereis até mesmo as forças dos cataclismos, enquanto a humanidade tenta ajustar-se às correntes de liberdade que estiverem chegando – quando serão forçadas, quase de repente, a quebrar as velhas matrizes, a destruir as muralhas da partição que as separam do Santo dos santos. E quando essas muralhas finalmente ruírem, eles não terão proteção alguma contra o grande calor e o fogo do sol do seu próprio ser. Muitos irão cair e perecer, e haverá choro e ranger de dentes.

Apesar de tudo, não temeis, amados, pois o objetivo da vida é a espiral ascendente. Com esta finalidade vieram os Cristos de outrora. E se, através do cataclismos, se não houver outro jeito, a humanidade for catapultada às aspirais ascendentes, não será então o cataclismo uma bênção? Uma experiência que nos leve a ascender é sempre uma bênção. Desse modo, às vezes, a dor e o pesar são uma bênção. Pois o objetivo da luz da alma é elevar-se. E este propósito deve sempre ser cumprido. A Fraternidade está sempre atenta a isso.

Não tentemos evitar o sofrimento quando esse sofrimento pode trazer-nos alegria, como o desabrochar de uma flor, como uma rosa que surge dos pântanos da vida. Vós, por vós mesmos, não podeis considerar a vida e os seus objetivos como uma sucessão de prazeres e felicidade, dia após dia, mas deveis ver que o serviço, o cumprimento da vontade de Deus, a aspiração de atender ao chamado mais elevado, este sim é o objetivo. E se isto exigir sacrifício, se exigir um pouco de dor a fim de que a meta seja alcançada, que assim seja. Que te importa?

Não é Deus que se sacrifica, mas sim o ego que precisa de ser sacrificado. Vamos colocá-lo sobre o altar, hoje. Peço-vos, em nome da Mãe Sagrada, que o oferteis no altar o vosso sacrifício. Seja algum prazer ou dor da qual desejais desistir, para serdes livres – algo mundano, algum apego, ou talvez um ato de desapego. Pois todos precisamos vir para o centro, para o Caminho do Meio, a fim de atrair as fragrâncias do Ser, as energias da perfeição, fazendo delas o tema principal e o chamado da espiral da ressurreição.

Eu estava lá quando ele ressuscitou. Testemunhei o momentum interno de luz expandida que surgiu do interior da tumba. Vi a iniciação acontecer. Dei um suspiro de alívio, pois sabia que o meu Redentor vivia. E como ele vivia, também todos os homens deveriam viver, pois o que um homem consegue fazer, todos conseguem. Esta é a vitória de uma vida – que todos possam ir e fazer da mesma forma. Esta é a vitória de uma nação dedicada à liberdade. Esta nação foi escolhida por Deus para ser a representação da liberdade, a fim de mostrar à humanidade o caminho em nível nacional, como Jesus mostrou o caminho num nível individual.

Que a humanidade não busque destruir o que foi construído por Deus, e sim que transmute o que foi colocado em oposição ao Pai e aos seus nobre propósitos aqui. Que ela julgue de acordo com o prumo da verdade, de acordo com o conhecimento da Lei Cósmica. Que ela exponha, então, os manipuladores, os destruidores, os que enganam, e o Anticristo no seu meio.

Sigamos com a liberdade! Desfraldemos a bandeira! Sigamos marchando! Pois as hostes de luz estão chegando. Estão chegando em grande triunfo! E não vão parar nem ficar esperando por uma nação que ainda não está pronta. Continuarão a marchar…e entoarão o hino dos livres. Cantarão o hino da vitória!

Elas vêm portando espadas de fogo, bandeiras de triunfo, instrumentos de glória. Já ouvis as trombetas. Já ouvis o chamado. Ouvis a declaração de paz. E sabeis que, em pouco tempo, a humanidade terá de escolher entre a liberdade e a longa noite do caos. Pois as hostes de luz continuarão a marchar. E aqueles que não seguirem a espiral ascendente, o ciclo que elas trouxerem, deverão ser deixadas à margem da vida para entrarem no ciclo descendente de trevas, como aconteceu nos tempos pré-históricos. A escolha está em cada um. A escolha está em muitos indivíduos unidos como um só – um corpo de homens livres dedicados à preservação do nobre ideal do Cristo, o recém-nascido em todos os corações.

Digo-vos, vinde! Vinde, Divino Filho Varão, e encobri a consciência externa! Vinde, quebrai os laços e libertai a humanidade! Libertai-a pelo poder da chama interior – indómita, invencível, vitoriosa, agora e para sempre! Assim está escrito no Céu; que seja igualmente escrito na Terra! Então escrevei, amados. Sois os escritores desta era! Escrevei com a espada da verdade, com a pena de fogo, com o poder da Palavra falada. Que seja escrito e gravado em fé, em esperança e caridade! Que seja escrito de tal forma que todo o mundo possa ver. Que seja inscrito nos registos akáshicos* que todos os homens são livres em Cristo, em Deus. E não há nenhum outro propósito, nenhuma outra realidade, exceto a que os homens podem escolher, bem como as trevas, pelas quais também podem optar.

Pela luz e através dos séculos eu venho nutrindo o Cristo que existe em vós. Permaneço atenta, uma guardiã da chama. E peço que atendais a este grande chamado, para que ele possa ser escrito nas páginas da história: “Estes são os que desprezaram a vida mesmo diante da morte. Estes são os que venceram pelo sangue do Cordeiro, pela essência do fogo sagrado.” Que a Terra seja livre! Que a Terra ascenda enquanto os homens livres dedicam as suas vidas, as suas fortunas, a sua honra sagrada, sem piscar, com devoção e muita coragem. Pois esta é, na verdade, a grande necessidade deste momento.

Homens, mulheres e crianças do Espírito, digo-vos: levantai-vos e aceitai o vosso chamado mais elevado como filhos e filhas de Deus. Eu vos unjo neste dia com o Bálsamo de Gileade trazido da chama do meu coração. Ele vos confortará durante esta batalha, e reconhecereis isso ao ver que carregando a bandeira à frente de todas as legiões de luz está a Mãe do Mundo, que vem reivindicar os seus filhos, que vem para levar os seus filhos para casa. Ela segue em frente e ninguém consegue impedi-la. Então vinde, legiões da luz. Juntai-vos a nós nesta gloriosa investida.

Em nome da Mãe do Mundo, EU SOU Maria, ao serviço da vossa luz.

 

Maria

_______________

*Registos akáshicos – os registos de tudo o que se passou no mundo de um indivíduo são “escritos” por anjos do registo sobre uma substância e dimensão conhecidas pelo nome de akasha. Esses registos podem ser lidos por aqueles cujas faculdades espirituais são desenvolvidas. (N. do A.)

_______________

Livro “Mensagens de Maria para um Novo Dia”, de Mark e Elizabeth Clare Prophet, Rio de Janeiro: Nova Era, 2006, págs. 276/282